quinta-feira, 14 de maio de 2015

APRENDER A PERDOAR

     Varuna, na mitologia grega, era um Deus criador e feitor, senhor de conhecimento infinito, com o dom e poder de prender e libertar, condenar e perdoar. Perdoar é um dom de divindade, e aprender a perdoar, é o passo principal para que possamos também recebermos o perdão. Uma vez, ouvi alguém falar o seguinte: Perdoar é para Deus, a gente apenas desculpa. Fiquei calado, mas comecei a pesquisar sobre o perdão e a desculpa, e descobri que ambos caminham juntos, mas são muito diferentes.
     Quando desculpamos, é como se estivéssemos agindo por educação, e quando perdoamos, esse sentimento vem do coração, de forma autêntica, transparente e resignada, e é essa resignação que transforma o ódio em amor. não o amor que nos acompanha, mas o amor suficiente, para entender que perdoar é preciso, mesmo porque o que pode parecer pura maldade, mão represente a realidade, e possa ter sido um desses momentos de descontroles, encontrados em todos os seres humanos.
     Varuna perdoava aos que se arrependiam, não é difícil imaginar, que para descobrirmos o nosso erro, reconhecer o mesmo, nos arrependermos, e procurar corrigi-los, é uma tarefa que exige força de vontade e personalidade para pedir desculpas ou pedir perdão. Sabemos perfeitamente que isso não é suficiente, mas é um avanço, me termos a serenidade para entendermos e aceitarmos, isso sim, é o que nos aproxima da verdadeira sabedoria.
     Sabemos que os Deuses e suas divindades tinham suas grandes diferenças, mas a maioria tinha em comum a sabedoria de perdoar, porque quem pede perdão, já está fragilizado e a força que precisa para recomeçar, é exatamente o perdão. Não somos hipócritas para negarmos as nossas iras, em que muitas delas nos feriram e alteraram nossas vidas, mas não podemos ser insensatos para nos alimentarmos de nossa ira, isso nos afastaria da divina grandeza do perdão.
     Para aprender a perdoar, precisamos aprender a nos transportar, e reconhecermos  a nossa fraqueza de pensarmos que somos fortes o suficiente, quando nos transportamos, entendemos que determinadas em fraquezas, nós não as escolhemos, fomos escolhidos, e não tivemos força ou sabedoria para rejeitarmos tal escolha.
Todos nós temos telhados de vidro, algumas pessoas cuidam a cada instante dos mesmos, outras permitem que o acúmulo de sujeira pesem sobre o telhado, fazendo com que ele a trincar e quebrar. Olha as vezes são até avisados que alguma coisa está errada, a claridade diminui, já não tem a mesma visibilidade, mas pensam que do mesmo jeito que apareceu o problema, vai desaparecer, mas não é bem assim.
     Esse telhado de vidro serve de proteção para a nossa família, nós e nosso espírito, e assim com toda essa importância, não pode ficar desprotegido, o ideal é deixar ele polido o tempo todo, se por acaso o vento deixar cair alguma folha sobre o telhado, a mesma terá de ser removida, deixando o mesmo com a sua total transparência.
Igual a esse telhado de vidro deve ser o nosso coração,limpo e transparente, e permitindo que a luz possa clarear o suficiente, para vermos o quanto é importante e gratificante, aprender a perdoar.

     Ass.  Maninho.

Postar um comentário