sexta-feira, 13 de março de 2015

SOLIDARIEDADE

     As vezes ouvimos pessoas falarem que o oferecido não tem preço, eu entendo que não é porque a oferta não tenha valor, mas não seja possível estipular o preço. Oferecer apoio sem que a outra pessoa peça, é um dos atos mais sublimes de solidariedade, visto que, algumas pessoas precisam de apoio e não pedem porque já se encontram sem forças e sem esperanças, já ouviram tantos não, que as vezes nem acreditam que exista alguém que possa se preocupar com ela, por isso não pedem ajuda e algumas são mais radicais, não aceitam ajuda de ninguém.
     Quando isso acontece, é porque o desespero já se encontra em um grau tão elevado, que tenta representar que pode ser independente, mas isso não representa a realidade, por tanto se acontecer de alguém recusar sua ação solidária, não a ignore, é mais um motivo para prestarmos nossa solidariedade. A solidão, e a exclusão criam um comportamento parecido com o orgulho, quando na realidade isso é uma doença que precisa de cura, e o melhor remédio é a solidariedade.
     As pessoas, tal qual os animais, existem aquelas que são mais ou menos favorecidas, ninguém é infeliz por escolha, agregado a vários tipos de comportamento e atitudes, é inegável que também existe o fator sorte, e dela precisamos para que possamos ter uma vida melhor, também somos responsáveis, e não podemos culpar a falta de sorte se não tivermos força pra lutar pelos nossos objetivos.
     Os excluídos, não são por opções próprias, algum detalhe os fizeram mudar de lado, cabe a sociedade ser mais solidária, mesmo que em algumas situações seja difícil de doar amor e carinho a quem praticou alguma maldade. mas nem sempre a maldade é intencional, existem casos devido a falta de equilíbrio, provocada por distúrbios, e se conseguirmos abrandar a nossa ira, talvez possamos agir de forma solidária.
     Ofereça seu apoio, não ao ato, mas a pessoa que está perdida em seu próprio labirinto, o amor ao próximo, é a melhor oferta que pode ser feita, por isso não tem preço, é algo que ninguém pode comprar, doar é melhor que receber, e quem doa de coração, sem esperar recompensa, semeia uma das mais importantes ofertas, a solidariedade.

     Ass.  Maninho.

TEMPOS DE CRIANÇA

     Mágicos e inesquecíveis tempos de criança, em que a fada Inocência tocava em cada criança com sua varinha de felicidade. Ah que gostoso, o algodão doce, a pipoca, e o impagável sorriso do palhaço, promovendo a alegria,
     É impossível esquecer, nosso tempo de criança, de amor e esperança, e a alegria de brincar, de correr e de pular, sem ter que pensar em nada, é uma fase encantada, que passamos em nossas vidas, nunca serão esquecidas, essas nossas cirandadas.
     Parece que no criador fez de propósito, no início tudo maravilhoso, independente de qualquer lugar, a criança brinca, com os brinquedos que tem, e com os brinquedos imaginários, e mesmo em situações de pobreza, ela consegue brincar, parece que o criador lhe diz, aproveite esse tempo, porque ele passa rápido demais, e depois os desafios da vida vai começar.
     Quem já brincou de ciranda, amarelinha ou pião, de vaqueiro ou de patrão, bola de gude ou massinha, de carrinho ou fazendinha, carro de lata ou boneca, de cabra cega ou peteca, pega bandeira e casinha.
     A criança, em seu tempo de criança, tem o dom da simplicidade, não precisa de um brinquedo especial, já vi meninas entrando no milharal e tirando bonecas de milho, para fazerem delas sua princesa, penteava seus cabelos dourados, com a mesma delicadeza de quem brinca com uma boneca comprada em lojas de brinquedos, garotos que cortavam os talos que caíam das carnaubeiras, e faziam cavalos de pau, e felizes corriam pelos terreiros das casas simples onde moravam.
     Quem brincou de adoletá, pula sela ou bambolê, pula corda, ou passa anel, pedra tesoura e papel, como é que vai esquecer, a brincadeira bacana, como de montar cabana, cabo de guerra e charada, em noite de lua cheia, brincar com bola de meia, como a vida era engraçada.
     Tempos de criança, é o tempo em que podemos fazer de nossas crianças, nossas melhores companhias, dando-lhes carinho, atenção, e participando ativamente de seu desenvolvimento, e carinho não está a venda em lojas de variedades, carinho não custa dinheiro, e é fundamental para uma formação mais humana.
     Hoje mesmo em casas simples as crianças em sua maioria ficam em berços, confortáveis e protegidos, mas nem sempre foi assim, houve um tempo em que as crianças ficavam dentro de um carrinho de madeira, forrado com tecidos simples, nem por isso elas deixavam sorrir para seus pais, fortalecendo a ideia em que o carinho poderia estar nas simples salas de barro batido, ou nos palácios de pura nobreza.
     Tempos de criança, tão bom, tão passageiro e tão especial. Ninguém esquece, das canções de ninar, das brincadeiras, das história de fadas e seus encantamentos, ah, como seria bom se cada adulto pudesse lembrar de uma infância assim, de amor, de brincadeiras e de liberdade. É tudo que as crianças querem, tenha tempo para elas, senão outras pessoas as conquistam, e estranhos não podem ser mais presentes do que os pais.
     Em meus tempos de criança, corri nos terreiros, tomei banhos de riachos, mergulhei em lagoas, brinquei, brinquei e brinquei, mas nada foi tão marcante, quanto as brincadeiras com meus pais.
A criança é o futuro de qualquer nação, e os pais, são responsáveis por esse futuro, no dia das crianças, que tal contar-lhes uma história de sua infância, fale das brincadeiras de antigamente, não estará voltando no tempo, estará contribuindo com a cultura.
     Mostre que em você ainda existe um lado infantil, afinal, ninguém esquece os tempos de  criança.

     Ass.  Maninho.